Se o Diabo veste Prada… Nós vestimos o quê??

Estou tentando ser menos consumista, tenho peças demais e tempo de menos pra usá-las. (vou falar mais sobre esse processo por aqui.)

Mas hoje o assunto é o meu quarto/closet e a pergunta do titulo que anda me atormentando a algum tempo, então resolvi desabafar por aqui.

Acontece que entre minhas amigas eu tenho um dos maiores armários, pois entre momentos de pura loucura, muitos brechós, liquidações, desapegos de outros, ele se tornou o que é hoje.

Eu já cheguei a ter mais 1.000 peças e uns 150 pares de sapatos, doei muita coisa e fui feliz, também doei muito e me arrependi, mas hoje ele conta com aproximadamente umas 700 peças entre roupas, sapatos, bolsas e acessórios.

Ainda é muito, mas hoje já não compro mais como antes, na verdade estou tentando melhorar nesse aspecto, então não estou comprando nada no momento.

Mesmo assim ele não deixa de impressionar pela quantidade.

Não estou me gabando nem nada, mesmo porque hoje dia, a maneira como está a moda e visto que o slow fashion, anda bem em alta, um armário como o meu está completamente fora dos padrões, mas ele sempre anda quebrando o galho de alguém, então por enquanto ele não vai aumentar e nem diminuir.

Mas enfim nem é sobre o tamanho dele que quero falar aqui e sim sobre marcas.

Dia desses em uma reunião com as amigas, acabamos terminando a noite lá no quarto/closet e foi aí que surgiu a discussão, principalmente sobre meus sapatinhos.

A frase que mais ouvi durante uma hora inteira, foi essa:

Nossa mas esse é um Arezzo, Esse é um Carmen Steffens, um Dummond… entre outros.

Acontece que já faz uns 2 anos que a maioria dos meus calçados são comprados de segunda mão, tem uma moça que volta e meia desapega e acaba vindo parar na minha mão, muitos deles inclusive já doei e alguns usei até acabar mesmo, mas tem alguns que acabaram guardados, como uma pequena coleção.

Aí do nada começaram a calcular (como se aquilo tudo tivesse um preço) e começaram a especular o tanto de dinheiro que joguei fora comprando tudo aquilo, que na maioria das vezes acabo não usando. Realmente gastei algum dinheiro, mas posso garantir que no caso dos sapatos pelo menos, foi uns 10% do que gastaria comprando algo novo na loja.

Sinceramente me incomodou o fato de olharem apenas as marcas mais famosas, quando na verdade meu armário hoje envolve anos de compras, como eu já disse acima, meu armário assim como meu quarto inteiro, reflete bem meu ser. É minha identidade como pessoa.

Pode parecer bobagem, mas é assim que me sinto, é como eu gosto que as pessoas me vejam, é como externo minhas emoções e sentimentos.

Ali não é apenas o fato de comprar e acumular como muitos pensam, é a história da minha vida escrita através de roupas marcantes, muitas vezes feitas apenas para aquela ocasião. É assim que tento manter viva minhas memórias.

Então a pergunta que fiz logo lá no título pra mim já tem uma resposta bem prática.

Eu visto HISTÓRIA.

 

Beijokas!!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *