Com vocês: “Pílulas da Mah”

O9VUSY0

TAG nova aqui no blog. 

Como parte dessa nova fase aqui do blog, contaremos agora com a TAG “Pílulas da Mah”, uma espécie de diário onde vou contar um pouquinho da minha semana, algum fato legal (ou não) com o objetivo de rirmos um mesmo refletir um pouquinho, ele irá ao ar sempre as Segundas-Feiras. 

Ah! E antes que me esqueça o nome é em homenagem ao blog, uma pequena abreviação.

E para um bom começo  um bom conto sobre como nada está tão ruim que não possa piorar.

  • E o Episódio de hoje é:
                              O Mico da Semana!! 
                 Quarta-Feira 13 com cara de Sexta-Feira 13

Acordei linda bela e disposta a ir na academia, uma tentativa de voltar a sociedade e testar um pouco mais meus limites sociais (falarei disso no futuro). Claro que num dia 13 tudo pode acontecer e comigo não foi diferente.

Como todos sabem eu tenho um filho de quatro patas, o Nico e como todo santo dia eu coloco ele no carro, tiro o carro da garagem, tiro ele do carro, fecho o portão grande por dentro tranco e saio pelo portão social, até aí uma rotina automática.

Mas tem uns pontos a se considerar, meu portão não é automático, e o portão social tem aquela trava elétrica (ainda não instalada), então sempre destranco o portão e coloco a chave na fechadura do outro portão, para não correr os risco de ficar trancada em casa. Ah, e ainda estou sempre com o celular em mãos, caso aconteça algo e eu precise ligar par alguém.

Acontece que nessa última quarta feira tudo mudou, fiz tudo normalmente, mas na hora que coloquei o bendito cadeado, CADÊ A CHAVE? CADÊ CELULAR?  tudo dentro do carro, lá na rua e ainda por cima todo aberto.

Bateu aquele desespero, pensei fu…., e agora como eu saio daqui? 

Dei umas quatro voltas no quintal desesperada pensando em algo a fazer, parei colada no portão durante uma meia hora e nada de passar uma bendita alma. 

Daí que fiquei desprezada, pior que aqueles touros presos antes do rodeio, sabe aqueles que eles soltam e saem em disparada.. pois é fiquei igualzinha.

Tentei de tudo.

Tentei pular o muro e sair pela garagem do vizinho, mas como tenho uma cerca elétrica e fiquei com medo de encostar nela, ou pior cair da garagem do homem. Quebrei um vidro da janela da cozinha peguei uma faca pra tentar tirar a fechadura da porta da sala. Nada dava uma solução, não tinha uma ferramenta no quintal, e o desespero aumentando.

Então tive a “brilhante” (SQN) ideia de arrombar a porta da minha sala, então comecei a dar uns chutes, um baita barulho e nada de aparecer alguém, kkkkk. Ai soltou a parte baixa dela, e com um cabo de madeira, consegui ir forçando até que soltei metade da bendita.

Liguei para o marido só pra avisar, peguei uma chave reserva e assim consegui sair.

Gente, juro, a sensação não podia ser mais incrível, a liberdade apenas por estar na minha calçada não tenho como explicar. 

Resultado do dia:

Uma janela quebrada sem necessidade, pois com as grades não me serviu de nada, uma porta arrombada, um corte bem básico no braço e uma dor no corpo desgraçada de tanto fazer esforço. Aposto que perdi mais calorias nisso que em meia hora de academia, que por fim acabei não indo.

Claro que as olheiras resolveram fazer a festa…

13627076_1408181845863703_1175355453929771051_n

Mas de tudo isso cheguei a uma simples conclusão: de como graças a essa maldita onda violência que estamos vivendo, precisamos viver trancados com muros altos, grades nas janelas, e cercas elétricas por todo lado. Pois se isso tivesse acontecido a alguns anos atrás, apenas quebrando o vidrinho da janela da cozinha, eu conseguiria entrar em minha casa e pedir ajuda muito mais rápido e sem esse stress todo.

Bem, na hora não foi nada engraçado a minha triste situação, mas relembrando agora, até que foi engraçado  meu dia de “meliante” onde eu precisei literalmente arrombar minha própria casa. Mas aposto que se fosse um ladrão com experiência ele se livraria disse rapidinho né?

shutterstock_162190610

Espero que com esse pequeno texto eu consiga fazer você sorrir mesmo que um pouquinho, pois pra nos desanimar já temos muitas coisas.

Beijokas!!

Até a próxima!!

assinatura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *